Marcelo Magalhães – Segundo lugar no Nacional 2013

 

Então galera, sou de Brasília e jogo desde o lançamento de Noble Victories. Joguei o último Nats com Zekeels e fiquei em 26º ou 27º lugar, não lembro direito… Mas a experiência de ter participado do último Nats acho ter sido essencial pra ter saído bem este ano.

Como alguns sabem estou em SP desde o início de maio por conta de um curso e aproveitei dois fins-de-semana pra ir treinar com a galera na Comics e obviamente tentar prever o meta do Nats deste ano. Estive jogando principalmente de Ho-Oh-EX esta temporada, deck com o qual já havia garantido minha vaga pro mundial. Joguei com Keldeo/Blastoise em dois Cities e foi o maior fracasso da história. Já sabia que o Ho-Oh-EX não era mais viável depois da Plasma Storm então fiquei sem saber com o que jogar até há 2 semanas. Uma certeza eu tinha, deveria ser um deck com tech contra todos os decks possíveis pois vi como o meta estava variado. Tentei inventar alguns decks com Etherdex, mas não estava consistente o bastante. Então faltando 14 dias pro Nats e longe de Brasília onde tenho minha turminha com quem treino, meu amigão André Bortoni me falou do deck vencedor do Nats Italiano naquele fim-de-semana. Comecei a fazer testes no PTCGOnline e estava invicto,com quase 30 vitórias até a galera começar a jogar de Plasma Freeze, quando o deck deixa bem a desejar… Então joguei algumas partidas online com o Bortoni e outras contra mim mesmo e os diversos decks que consegui montar. O deck é muito forte contra LMT, Blastoise e Klinklang, nem tanto contra Garbodor e horrível contra Darkrai, especialmente a versão com Hammers. Até a sexta-feira estava na dúvida se jogaria com esse deck, Blastoise ou Ho-Oh-EX mesmo. Sexta-feira encontrei com o Bortoni e o meu outro amigão Daniel Nunes e em conversas e discussões acabei decidindo pelo deck Italiano mesmo. Cheguei a testar o deck online com Sableye e discuti com o Bortoni sobre o uso dele e Hammers no deck, mas nos poucos testes que havíamos feito não pareceu tão bom. O Bortoni também estava em dúvida se usaria o deck ou Blastoise e os amigos italianos dele acabaram convencendo ele de usar o deck. Combinamos que deixaríamos nossa lista parecida.

Chegou o dia no Nats, estava super ansioso!! Fomos do hotel pro local de Van e já começamos a especular como estava o meta, tentei ao máximo esconder como o que estávamos jogando, mas foi difícil pois o Bortoni queria o deck todo shiny, reverse, FA e tudo mais e deixou tudo muito na cara. Pelo menos serviu pra descobrirmos que haviam mais decks italianos na jogada, o que me fez pensar mais na possibilidade de usar Sableye/Hammers pra vencer mirror match, mas até então nossa lista estava idêntica à original. Naquela enrolação de iniciar a primeira rodada, Bortoni chegou e disse pra usarmos Sableye/Hammers e eu disse que pressentia que deveríamos usar mesmo. Mudamos o deck e a decklist rapidão e partimos pra competição.

Pokémon:

4 Sigilyph DRX
2 Virizion NVI
2 Sableye DEX
2 Tornadus-EX
1 Victini V-Create

Trainer:

4 N
3 Professor Juniper
3 Skyla
2 Bianca
1 Colress
4 Hypnotoxic Laser
4 Pokémon Catcher
2 Skyarrow Bridge
1 Virbank City Gym
2 Giant Cape
3 Crushing Hammer
1 Enhanced Hammer
2 Level Ball
2 Ultra Ball
1 Scramble Switch
2 Switch

Energia:

4 Double Colorless Energy
4 Prism Energy
4 Blend Energy GRPD

A idéia do deck é travar o oponente com os Sigilyphs e montar a tech contra o deck do cara. Contra LMT a tech é o próprio Sigilyph, contra Blastoise a tech é o Sigilyph e o Virizion, contra Klinklang é Hammer/Victini, contra Eels é derrotar o mais rápido possível os Pokémon não-EX com o Tornadus/Virizion, contra mirror é Sigilyph/Hammer, contra Darkrai sem Hammer é matar todos os Sableye e contra Darkrai com Hammer é sentar e chorar!
Então aqui vão as partidas, perdoe-me se escrevi o nome de alguém errado.

1ª Rodada X Luiz Mariano (Landorus/Dusknoir/???)
Essa partida foi tranquila pois meu oponente esteve zicado desde o início, nem sei o que mais ele usava de Pokémon no deck pois não cheguei a ver. Ele começou de Landorus e eu de Sigilyph, comecei o jogo e montei rápido meu QuadSigilyph e só precisei levar o Landorus e um Dusknoir, ele ficou sem mais Pokémon ou Supporter enquanto eu guardei 3 N na mão. 1-0

2ª Rodada X Edgar Shinagawa (LMT)
Eu estava feliz pois pensava que ele estava de Blastoise, o deck contra o qual eu mais tinha treinado e mais tinha confiança. Só que ele me abre de LMT, apesar de ter vantagem também, o Shinagawa é muito inteligente e não cometeu nenhum erro. Levou uns Sigilyphs no laser e algum outro Pokémon que não lembro, fui ficando sem energias no deck e vi que tinha chance de vencer ele por deckout e até teria vencido não fosse o tempo curto da rodada. Acho que ele só tinha umas 2 ou 3 cartas no deck. Ele ganhou pois ficou uns 2 prizes na minha frente. 1-1

3ª Rodada X Henrique Gonçalves (LMT)
Fiquei traumatizado com minha derrota pelo tempo e comecei a jogar mais rápido, meu oponente embaralhava meu deck toda vez que eu mexia nele, mas levava um século para embaralhar então tive que apressá-lo um pouco também. Consegui levar os Bouffalant com Eviolite dele com bastante dificuldade, mas ele ainda tinha as Max potion pra ficar recuperando os EX, então tive que ficar batendo de 50 em 50 com Sigilyph pra conseguir levar todos os prêmios. 2-1

4ª Rodada X Adonis ??? (LMT)
Novamente tive sorte de pegar um match favorável, meu oponente ficar zicado um tempo sem energia e sem Supporter e ainda por cima acertar os Crushing hammer pra limpar as energias do campo dele. A partida foi meio demorada pelo ataque fraco do Sigilyph, mas consegui levar mais essa! 3-1

5ª Rodada X Rafael Almeida (Keldeo/Black Kyurem/Blastoise)
Comecei de Virizion e comemorei quando vi 2 keldeo-EX no campo dele, ainda por cima iniciei a partida! Energizei o Virizion e enchi o banco de Sigilpyh, comecei a bater no Keldeo com o Virizion, ele encheu o banco de Squirtle e montou Blastoise na 3ª ou 4ª rodada. Levei um Keldeo e um Squirtle com o Virizion e ele levou meu Virizion com o outro Keldeo sem dano, voltei de Sigilyph e bati 90, ele veio de Blastoise e matou meu Sigilyph em dois hits e levei o Blastoise dele em 2 hits. Eu precisava de uma energia pra outro Sigilyph e já tinha o catcher na mão pra derrotar o Keldeo baleado no banco que felizmente estava todo energizado, bati os 80 certinho que faltavam e acho que até ele se surpreendeu por ter esquecido de tirar as energias do Keldeo no banco. 4-1

6ª Rodada X Sid Guimarães (Keldeo/Black Kyurem/Blastoise/Moltres)
Conheci o famoso Sid que por sinal é gente finíssima. Comecei de Virizion e tinha tudo pra ganhar a partida se tivesse começado o jogo. Ele ficou espantado com o Virizion mas se atentou à minha resistência e ao Giant Cape, montou Blastoise no T2 e matou o Virizion com Keldeo, subi com Sigilyph e ele conseguiu montar Blastoise no mesmo turno pra ir levando os Sigilyphs na sequência sem eu conseguir energizar eles direito. Consegui levar o Blastoise dele e tinha um Tornadus-EX em campo batendo e dei um N de 1 carta, dava pra virar o jogo caso ele não tivesse conseguido a Prism energy que faltava pro Black Ballista. 4-2

7ª Rodada X Marlon Felipe (LMT)
Essa partida foi apertadíssima, fiquei um tempo na zica da energia e quando conseguia fazer alguma coisa ele ia e usava Max Potion, sem dizer que é muito difícil levar o Bouffalant com Eviolite jogando de Sigilyph. Sei que no fim eu estava com 2 prizes e ele 1 pra vencer. Eu só tinha os Sigilyphs baleados e ele tinha descido um Mewtwo-EX alguns turnos antes. Esperei ele usar as 2 ou 3 Max Potion que normalmente tem no LMT e guardei dois Catchers o tempo todo pra dar Psychic duas vezes e levar essa partida. 5-2

8ª Rodada X Gabriel Semedo (Darkrai/Sableye/Bouffalant/Hammer)
Quando vi que iria enfrentar o Semedo já fiquei na Depressão pois sabia que ele usava o deck autowin contra mim e eu precisava vencer pra ir pro Top tranquilo, sem depender de rating. Além de tudo ele começou a partida e pegou uns 2 ou 3 Mulligans. Me venceu com o Bouffalant e Sableye/Laser/Hammer, acho que nem cheguei a pegar prize. 5-3
Fiquei ansioso até lançarem a lista do Top, acho que o que me levou junto foi o fato de todos os caras pra quem eu perdi estarem também no Top32. Passei em 27º ou 28º lugar e já estava mais do que feliz por ter chegado tão longe com um deck que eu nem sabia que existia até há 2 semanas atrás.

Top 32 X Mario Oliveira (LMT)
O Mario estava muito mais ansioso do que eu e acho que isso o prejudicou, pois ele é um excelente player. Minha estratégia foi basicamente a mesma, priorizei derrotar os Pokémon não-EX dele e dei muita sorte na moeda as nossas duas partidas, eu acertando os Crushing Hammer e o Sleep do laser e ele coroa pra continuar dormindo várias vezes. Sei que a disputa de prizes foi bem apertada e o final da segunda partida foi parecida contra aquela que tive contra o Marlon, ele deixou um Mewtwo-EX no banco e eu guardei dois Catcher na mão pra vencer o jogo. 2-0

Top 16 X Júnio Gonçalves (LMT)
Tive sorte por pegar outro LMT e ele ficar zicado nas duas partidas, ficou sem Pokémon e eu não precisei pegar os seis prêmios nas nossas duas partidas. Mas o Júnio é um excelente player também, acho que foi a primeira vez que o venci. Já havia perdido no Regional de Goiânia e algumas vezes que jogamos online. 2-0

Top 8 X Artur Mazzega (Darkrai/Sableye/Laser)
Essa foi definitivamente a partida mais difícil. O Artur joga muito e eu me senti pressionado por ter a partida no stream. A primeira partida tentei ser mais conservador e ele levou meus Sigilyphs no Laser/Virbank e deixou 4 Sableye em campo todos prontos pra manter o ciclo vicioso do Junk Hunt. Eu concedi a primeira pra ter mais tempo pras outras partidas. Comecei a segunda sendo mais agressivo, fui de Tornadus-EX e Sigilyph e consegui levar todos 3 Sableyes enquanto outro estava no prize, ele concedeu essa partida pra ter mais tempo pra partida final. A terceira partida consegui abrir os prizes na frente dele sendo novamente agressivo com o Tornadus-EX e acabei vencendo por ter menos prizes depois que o tempo foi chamado. Estava com a cabeça quente e já muito cansado, estava torcendo pra não enfrentar mais Darkrai, especialmente se tivesse Hammer. 2-1

Top 4 X Caio Navarro (Mirror sem Hammer)
Foi neste momento que eu agradeci minha intuição por ter mudado o deck de última hora. O Caio havia enfrentado o Bortoni no Suíço e já sabia como me vencer mesmo eu usando Hammer. Eu comecei a primeira partida, Sigilyph X Sigilyph, duelo de titãs. Consegui montar o Sigilyph primeiro e matei o dele, ele mandou um Virizion pra frente e energizou uma DCE e estava montando uma trap que eu só percebi quando ele fez cara feia quando me viu usar uma Skyla. Eu ia pegar uma Juniper pois não tinha mais nada na mão, pensei que ele tivesse um Scramble Switch na mão e iria surgir com um Sigilyph energizado do nada enquanto eu não tinha outro pronto pra responder. Então em vez de pegar a Juniper, peguei o Enhanced Hammer e torci por um Supporter no turno seguinte, no turno dele ele me mostrou o Scramble switch e teve que descartar com Juniper pra não vir nada, ele acabou perdendo por falta de Pokémon. A segunda partida eu perdi rapidamente também pois além de ele começar, também fiquei sem Pokémon depois de ele ter pego uns 3 ou 4 prizes. A terceira partida foi a mais disputada, usei menos o Sigilyph e mais o Virizion pra ir levando os Sigilyphs dele, tive azar de continuar dormindo alguns turnos e fiquei zicado um bom tempo. Cometi um missplay que pensei que iria me custar o jogo ao gastar um catcher pra não matar o último Sigilyph dele com o Leaf Wallop, pensei que tinha 50 de dano, mas tinha 40, tive que bater mais 40 e deixar ele na frente com 80 de dano, faltando 10 pra morrer. Eu poderia ter usado o Sableye e ter puxado meus hammers pra limpar as energias do campo dele. Foi o que fiz no turno seguinte. Consegui derrotar o Sigilyph dele com laser e no fim tínhamos os dois 2 Tornadus-EX no campo, cada um com 1 prize pra vencer. Deixei os 2 Tornadus dele baleado e ele precisava de um catcher pra matar o meu Tornadus do banco, o meu deck só tinha 3 cartas e ele iria ficar com menos cartas que eu se usasse a Juniper que tinha na mão, ele preferiu não arriscar bateu no meu Tornadus zerado da frente e tirou coroa no Power Blast, perdendo a energia que iria precisar pra vencer o jogo; detalhe que o catcher que ele precisava era a próxima carta que viria com a Juniper. Outra partida apertadíssima. 2-1

Final X Vinícius La Padula (Darkrai/Sableye/Bouffalant/Hammer)
Quando fiquei sabendo que iria enfrentar o La Padula na final já sabia que ele seria o campeão. Mas disse e repito várias vezes o quanto eu mesmo me surpreendi por ter chegado tão longe no meio de players de altíssimo nível, tenho orgulho do meu vice-campeonato e acho que o título não poderia ter ficado em melhores mãos. A partida todo mundo assistiu, resumiu-se basicamente a ele usar o Sableye pra recuperar Hypnotoxic/Hammer/Catcher. Tive uma pequena chance na segunda partida pois ele começou apenas de Sableye, eu poderia ter dado T1 se tivesse Tornadus/DCE/Stadium/Laser, mas na mão só tinha Laser e Juniper e acabei usando N pra não arriscar tanto, vi que com as 7 cartas do topo não daria certo mesmo e só assisti ele levar meus bichinhos um a um. 0-2

Gostaria de agradecer a todos que torceram por mim e dedicar este resultado a todos de Brasília, em especial ao Charlon por ser um grande amigo e por meio de quem eu comecei a jogar, Daniel e Bortoni por serem meus parceirões e me treinar! Ao pessoal de Goiânia e Minas que torceram por mim, ao pessoal de SP que me receberam tão bem este mês e ao Naoki, outra figura que veio pra deixar o TCG cada vez maior!

Marcelo Magalhães.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s