Top32 Nats 15 – Lucas Freitas com Sapo Algodão

Olá pessoas! Meu nome é Lucas Freitas, tenho 18 anos, jogo na categoria Master e irei trazer aqui o meu report do Campeonato Nacional de Pokémon TCG. Primeiramente gostaria de contar um pouco sobre mim dentro do mundo do Pokémon TCG.

Sou de Campinas-SP e tenho como hobbie o Pokémon TCG desde 2005, mas só comecei a jogar em torneios oficiais dentro do cenário competitivo em 2012 onde apenas participava de campeonatos que fossem na cidade de Campinas, onde eu moro. O primeiro ano que sai de Campinas para jogar campeonatos oficiais foi em 2014 e joguei um City em São Paulo e dois regionais, sendo que um deles foi em Sorocaba-SP.

O ano de 2012 foi significativo para mim dentro do mundo de Pokémon TCG, comecei a frequentar os locais onde os jogadores que levavam mais a sério frequentavam e a ter cada vez mais interesse pelas cartas e pelos campeonatos, fico feliz que consegui fazer aqui em Campinas amigos que jogam comigo e sempre procurei ajudar a cidade a crescer no cenário competitivo.

Eu escrevo e criei o blog Pokétudo TCG em 2012 e até hoje posto novidades lá, basicamente tudo que aprendi e tenho para ensinar sobre o jogo está lá, sempre procurei estudar o jogo, os jogadores, os formatos, as cartas e me considero um bom criador e aperfeiçoador de decks.

Durante essa temporada de 2014/2015 os decks que mais utilizei envolviam Pyroar, consegui desenvolver diversas listas boas com essa carta e até consegui um Top 8 no Pré-Regional de Sorocaba com um deck que envolvia Pyroar e Garbodor (vejam a foto abaixo).

Foi aqui que as coisas começaram a rolar.

Foi aqui que as coisas começaram a rolar.

 

Agora que já falei sobre mim vamos ao report! Esse foi o primeiro nacional que joguei e o que me motivou pela escolha do deck de Slurpuff/Seismitoad foi de certo a vontade de usar um deck muito competitivo para o Nacional de Pokémon TCG, que estivesse ao meu alcance e que se adequasse ao meu jeito de jogar e pensar. Como eu utilizei muitos Seismitoad EX e Mewtwo EX em meus decks de Pyroar eu já tinha afeto por essas cartas e elas me dão confiança.

Acredito que não treinei o suficiente para esse nacional, mas não me arrependo de nada, fiquei muito satisfeito com meu resultado, com o desempenho do baralho e por ter conquistado os primeiros CPs da minha vida.

 

Confiram a lista que utilizei abaixo:

 

Pokémon (11)

 

4x Seismitoad EX (FFI 20)

1x Mewtwo EX (ND 98)

3x Swirlix (PHF 68)

3x Slurpuff (PHF 69)

 

Trainers/Supporters/Stadiums (42)

 

4x Professor Juniper

3x N

1x Lysandre

1x Lysandre’s Trump Card

1x Xerosic

4x Hypnotoxic Laser

3x Enhanced Hammer

3x Crushing Hammer

3x Muscle Band

3x VS Seeker

3x Acro Bike

2x Super Scoop Up

2x Ultra Ball

2x Float Stone

2x Head Ringer

2x Silent Lab

2x Virbank City Gym

1x Computer Search

 

Energy (7)

 

4x Double Colorless Energy

3x Water Energy

 

Foto da lista:

Como dizem os gringos, "consistency is king"

Como dizem os gringos, “consistency is king”

 

OBS: Como podem perceber eu não usei Shaymin EX, eu não queria gastar dinheiro para comprá-las pois acho que são muito caras, a viagem para o nacional já não é barata e não contava com o empréstimo de nenhuma, então decidi até por utilizar Silent Lab, para tentar impedir meus adversários de utilizarem essa carta também.

 

Sou fofinho e irrito meus oponentes <3 <3 <3

Sou fofinho e irrito meus oponentes❤❤❤

 

Primeira Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Bruno Silva Guedes (M Rayquaza EX/Reshiram)

 

A primeira rodada do campeonato foi a mais complicada de todas para mim, quando o jogo começou e eu vi que meu adversário estava utilizando um Rayquaza EX dragão com Reshiram dragão eu já suspeitei que iria perder, é um baralho muito difícil de se enfrentar com Seismitoad EX, pois o deck acelera energias com a habilidade do Reshiram Ativo e o M Rayquaza EX reduz 20 de dano de Pokémons de água, além de conseguir causar 300 de dano, é uma partida que exige muita sorte para o deck de Seismitoad EX conseguir vencer. A primeira partida foi bastante favorável para o Bruno e ele jogou super bem, conseguindo tudo o que precisava e tendo um Hydreigon EX no banco para recuar seus Pokémon de graça, após ele ter conseguido 4 prizes eu percebi que não tinha mais chances e fomos para o próxima partida. Na segunda partida comecei com uma mão sem suportes, nem energias e como não utilizei essas cartas no primeiro turno ele percebeu que eu estava zicado e jogou tranquilamente, foi frustrante pois não tive como conseguir reação e ele acabou levando essa rodada.

 

0/1/0

 

Segunda Rodada –   Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Aloisio Yang (Mewtwo/Crobat)

 

Na primeira partida meu deck rodou super bem, abri de Seismitoad EX, liguei a Double Colorless Energy e já preparei meu jogo para começar a travar meu adversário e conseguir manter minha estratégia, o deck do meu adversário não é muito bom contra o meu e ele demonstrou dificuldade, mesmo com o uso de Wobbuffet ativo e com Sigilyph eu consegui dominar a partida e vencer sem dificuldades. Na segunda partida eu abri com um Mewtwo EX ativo e meu adversário começou a lotar o campo com Pokémon, desceu um Mewtwo EX ligou uma energia e uma Muscle Band e passou o turno, decidi utilizar minha Computer Search e buscar uma Float Stone para recuar meu Mewtwo EX ativo, liguei uma Double Colorless Energy e usei Professor Juniper, comprei 7 cartas e percebi que não veio nenhum Pokémon ou Ultra Ball na mão, ali percebi que havia me ferrado e ataquei com X Ball normalmente, no turno do meu oponente ele usou AZ, ligou uma energia ao Mewtwo EX e finalizou a partida com X Ball. É tenso perder no segundo turno por não ter comprado oque precisava, mas acontece, faz parte do jogo. Fomos para a terceira partida já com um tempo curto sobrando e o jogo estava um pouco apertado para mim, o juiz avisou que havia acabado o tempo e tinhamos apenas três turnos, para evitar que meu oponente tivesse uma forma de vencer usei minha Super Scoop Up e retirei o Seismitoad EX do campo, assim acabando com um empate.

 

0/1/1

 

Terceira Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Daniel Nunes F. de Brito (Raichu/Leafeon/Crobat)

 

Na primeira partida o jogo estava bem disputado e procurei tentar eliminar os Pikachu e Eevee que ele tinha no campo com medo dele evoluir rápido, consegui nocautear alguns Raichus e Golbats e ele levou um Seismitoad EX, mas em um momento do jogo utilizei Lysandre e N no mesmo turno sem querer, então após termos trocado de mão o Daniel me alertou que eu havia utilizado dois suportes no mesmo turno, então chamamos o juiz e ele deu Warning para nós dois e disse que o jogo estava empatado e que a próxima partida decidiria o vencedor. Fiquei perturbado com meu erro mas não perdi a cabeça e mantive a calma para tentar conquistar a vitória.

Na segunda partida consegui administrar meu jogo melhor, acertar algumas Super Scoop Up, usar Hypnotoxic Laser com Virbank City Gym nos Raichu e conseguir trocar dano bem e acabei levando a vitória, lembro que o Daniel não ficou com mais de três prizes, não foi uma partida fácil, ali fiquei aliviado com a vitória e feliz por ter vencido um deck com Leafeon e Raichu, pois já havia treinado contra.

 

1/1/1

 

Quarta rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Luiz Alberto Lopes (Raichu/Leafeon/Crobat)

 

Nessa rodada, após a pausa para o almoço, começamos a embaralhar os decks e meu adversário observou que meus sleeves estavam estourando e começou a reclamar, então eu peguei sleeves não usados e fui trocando com os rasgados enquanto ele chamava o juiz, o juiz acrescentou 5 minutos no nosso jogo para compensar o tempo da troca de sleeves e então a primeira partida começou. Não foi um jogo fácil meu adversário demonstrava bastante confiança e meu baralho funciounou super bem, consegui trocar bons danos, utilizar bastante Quaking Punch para travar e acertar alguns Super Scoop Up, lembro que o Silent Lab aqui influenciou em pelo menos um turno do meu oponente que ficou sem descer Shaymin EX, no fim acredito que ele estava com um ou dois prizes mas eu consegui ser mais rápido e nocautear os Pokémon antes, lembro do meu adversário ter demonstrado ter feito algum erro e balançado a cabeça por um possível miss play e ficou se lamentando, terminei a partida com um X Ball do meu Mewtwo EX para recolher meu último prize.

A segunda partida não deu tempo de terminar, o jogo é demorado contra esse deck pois eu só consigo recolher um prize por vez e preciso pensar bem em como administrar minhas cartas e jogadas e após o término do tempo e dos três turnos, nem eu, nem meu adversário conseguimos terminar a partida.

 

2/1/1

 

Quinta Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Renato Ferreira (Fighting/Crobat)

 

Eu já havia enfrentado esse adversário antes no torneio paralelo do dia anterior e havia vencido sem muita dificuldade, quando percebi que os sleeves que ele estava usando eram os mesmos acreditei que era o mesmo deck e fiquei feliz, pois sabia que não teria muita dificuldade se meu deck funcionasse.

A primeira partida foi um pouco disputada, ele soube administrar bem os Hawlucha e conseguiu montar alguns Zubat, mas consegui acertar bastante dados para meus Hypnotoxic Laser e Super Scoop Up que fazem um diferencial enorme para a partida, como eu utilizo Mewtwo EX e Seismitoad EX ele evitava por baixar ao campo Lucario EX ou Landorus EX e sabia que não era uma partida fácil para ele, ele acabou percebendo que não tinha mais chances pois eu estava quase ganhando e fomos para a próxima partida.

Na segunda partida continuei por explorar meu adversário com o ataque Quaking Punch de meu Seismitoad EX e foi um jogo bem similar ao primeiro, acabei vencendo rápido, tive sorte de enfrentar um deck que não é fácil de combater o meu.

 

3/1/1

 

Sexta Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Pedro Giovannetti (Manectric/Seismitoad/Garbodor)

 

Na primeira partida ele começou e já saiu colocando Head Ringer em meu Seismitoad EX, descendo Trubbish e preparando o Seismitoad EX ativo para dar o Quaking Punch primeiro, em meu turno percebi que o jogo estava complicado, enfrentar decks de Seimistoad EX (mirror) é complicado além de ser um jogo muito chato, pois quem colocar Head Ringer e usa Quaking Punch primeiro acaba vencendo a partida, continuei jogando normalmente e não via futuro, pois meu oponente pode usar Items em seu segundo turno e quando estava quase perdendo entreguei a partida, pois não havia como ganhar.

Na segunda partida eu comecei e já tentei explorar meu adversário, acredito que coloquei um Head Ringer ao Seismitoad EX dele e o jogo estava favorável para mim, acabei vencendo e o Manectric EX do banco dele não me apresentou grandes ameaças.

Na Terceira partida ele começou e usou Skyla para buscar o Head Ringer e ligou ao meu Seismitoad EX, ali percebi que iria perder, é uma partida que gosto de chamar de “nojenta” pois quem começa geralmente ganha e ele acabou levando a melhor, o Pedro é um jogador muito bom e que demonstrou estar preparado nesse campeonato, gostei do temperamento dele.

 

3/2/1

 

Sétima Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Rafael Oliveira (Seismitoad/Crawdaunt/Shaymin)

 

Outro sapo?! Que raiva, mais uma partida “nojenta”. Eu comecei na primeira partida e já sai na melhor, lembro de ter percebido que o deck dele era com Crawdaunt e procurei começar com Silent Lab para que ele não usasse seus Shaymin EX, procurei pelos Head Ringer para colocar nos Seismitoad EX dele e foi assim que acabei vencendo, lembro de ter dado Quaking Punch primeiro e os Crawdaunt dele não fizeram muita diferença na partida, consegui montar alguns Slurpuff e comprava a vontade com suas habilidades Tasting.

Na segunda partida ele começou bem e acho que ligou Head Ringer ao meu Seismitoad EX, como já escrevi na sexta rodada, quem usa Head Ringer e Quaking Punch primeiro vence, terminei perdendo essa.

Na terceira rodada comecei super bem e fui jogando certo administrando minhas cartas e procurando travar meu adversário, lembro dele não ter usado suporte e ter ligado uma Double Colorless Energy, em um determinado turno meu utilizei Xerosic para retirar a Double Colorless Energy ligada ao Seismitoad EX ativo dele e fui comprando cartas com a habilidade Tasting de meus Slurpuffs e atacando com Quaking Punch, ele estava zicado e acabou perdendo, foi uma rodada muito chata de se jogar.

 

4/2/1

 

Oitava Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Lucas Lemos Costa (Fighting/Crobat)

Fiquei feliz por estar enfrentando novamente um deck que enfrenta dificuldade contra o meu, já estava na oitava rodada com cansaço, o torneio é bem maçante.

Na primeira partida eu comecei e vi que ele só tinha um Hawlucha ativo, liguei uma energia ao meu Seismitoad EX ativo e fui preparando meu jogo e passei o turno, meu oponente estava zicado e não baixou nenhum Pokémon ao banco, em meu segundo turno, liguei Muscle Band ao Seismitoad EX ativo, usei Hypnotoxic Laser com Virbank City Gym e ataquei nocauteando o Hawlucha e obtendo a vitória.

Na segunda partida ele começou e foi montando o campo dele, no meu turno consegui tudo o que precisava e fui administrando as cartas e utilizei Quaking Punch para impossibilitar meu adversário de usar Items. Ao decorrer da partida ele demonstrou muita dificuldade e o jogo terminou bem rápido, ele terminou bem insatisfeito e eu aliviado por ter conseguido terminar rápido, essa rodada não durou nem 20 minutos, consegui mais uma vitória e estava com esperança de entrar no Top 32 e quem sabe até no Top 16, não podia perder o foco pois precisava de mais uma vitória.

 

5/2/1

 

Nona Rodada – Lucas Freitas (Slurpuff/Seismitoad) x Fabio Kletlinguer (Raichu/Leafeon/Crobat)

 

Nona e última rodada do suíço, estava muito cansado, mas não podia perder o foco, tinha que dar o meu melhor para entrar no Top! Fui na lista de rodada e vi que iria enfrentar Fabio Kletlinguer, um jogador que sempre vejo fazer Tops e sabia que não seria fácil.

Na primeira partida joguei com cautela e percebi que estava enfrentando mais um deck de Raichu/Leafeon/Crobat, lembro de ter tentado explorar de meu Silent Lab para impedi-lo de usar Shaymin EX, mas ele conseguiu várias cartas úteis e montou o campo rapidamente, ambos os lados estavam bons, o diferencial dessa partida para mim foi que eu tirei par no dado em momentos cruciais e consegui salvar dois Seismitoad EX de nocautes com Super Scoop Up, retirar diversas energias com Crushing Hammer e deixa-lo dormindo com Hypnotoxic Laser sendo que ele não acertava par para acordar, é essencial para quem está controlando um deck de Seismitoad EX que o Raichu adversário não acorde e isso fez com que eu levasse a vantagem, lembro de ter utilizado meu Mewtwo EX para lidar melhor com os Leafeon também, essa rodada foi bem tensa e o Fabio demonstrou saber bem o que estava fazendo, mas acabei tendo mais sorte e acabei vencendo.

Na segunda partida o jogo foi bem parecido, consegui acertar cara no dado em momentos cruciais e levar a melhor, acredito que o baralho de Raichu/Leafeon/Crobat seja bom para enfrentar um deck focado em Seismitoad EX, mas não consegue a vitória facilmente, consegui fazer boas jogadas e levar a melhor novamente, o Fabio jogou muito bem mas não conseguiu vencer, realmente meu baralho rodou perfeitamente na última rodada, acredito que foi a rodada que meu deck mais funcionou e consegui a vitória passando sufoco.

 

6/2/1

 

Terminei o campeonato em décimo oitavo lugar com 19 pontos e fiquei satisfeito, foi meu primeiro nacional da vida e o primeiro torneio que ganhei CPs! Gostaria de agradecer a toda a galera de Campinas que joga e treina comigo pelo apoio moral, torcida e ajuda com a lista do deck.

standing

Espero que tenham gostado do report, até a próxima!

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s