Top 8 LATAM não é fácil, mas é top – Pt. 1

Primeira coisa que vem a minha cabeça quando se fala de Top8 LATAM no Brasil é:

Top 8 LATAM não é fácil, mas é top

Agora sério. Você deseja entrar na disputa pelo Top 8 da América Latina? MESMO? De verdade? Então gostaria de te falar umas coisas.

Atualmente conquistar o o top 8 da América Latina é considerado por alguns mais interessante até do que vencer o Campeonato Nacional. Isso porque você ganha o Travel Awards, que nada mais é do que passagem e hospedagens pagas, além de entrar direto no Dia 2 do Mundial. Com o dólar a R$ 4,00, o Travel Awards é um PUTA negócio, já o Dia 2 até que é interessante também, mas nossos jogadores brasileiros provaram que é bem possível conseguir se classificar pro Dia 2 passando pela peneira do Dia 1.

Certo, então o Top 8 LATAM te dá uma viagem top, na faixa, pra jogar o worlds la na gringa e de quebra já entra no Dia 2 do mundial. Isso é incrível!

Mas até que ponto é interessante disputar com todas as suas forças pra alcançar essa glória?

 

Quando eu estava escrevendo esse texto, não fazia a menor noção de que esse assunto seria mais complexo do que eu imaginava. São várias coisas que cercam esse sistema de pontuação e premiação que a Pokémon vem adotando.

Antes de tudo, não temos certeza se as regras do Programa de Pontos da Pokémon serão exatamente as mesmas para 2015-2016, ou seja, é possível que pra essa temporada a Pokémon mude de ideia e talvez acabe com o Top 8 LATAM, ao mesmo tempo que ela enxergue algumas incoerências em suas regras e tenha o bom senso de conserta-las, como por exemplo criando um Top 4 só para o Brasil ao invés de jogar o o Brasil no TOP 8 LATAM, o que torna as coisas para o Brasil muito mais complicadas, uma vez que no Brasil temos 250 jogadores em um Nacional na Master enquanto México, Argentina e Chile JUNTOS não chegam perto deste número.

Enfim, diante desses vários fatores, resolvi separar por partes o tema Top 8 LATAM, que é um assunto de grande importância e gostaria de abordar neste momento da temporada, antes que os torneios grandes comecem, para que os jogadores que estão focados em perseguir este feito saiba exatamente o que lhes aguardam.

Certo, nessa parte do texto quero falar sobre o Campeonato Nacional. Será que ele perdeu valor? É errado o campeão não ganhar o Travel Awards? Ele é crucial para conquistar o Top8?

Bom, eu dei minha visão sobre o torneio mais importante do Brasil e o novo fato de que ele não presenteia o campeão nacional com a deliciosa viagem paga para o Worlds.

 

O Campeonato Nacional perdeu seu valor?

 

A minha resposta é: sim e não.

Vou dar minhã visão positiva e negativa sobre isso.

 

O Campeonato Nacional perdeu valor sim pois: ele não dá o Travel Awards. Essa mudança acarreta em outras mudanças como:

 

  • Os “franco atiradores” não terão mais tanto interesse em participar e mesmo se decidirem participar, não vão se dedicar exaustivamente, tampouco arcar com despesas como hotel e passagem (se caso for de fora de São Paulo) para este torneio glamuroso que não oferece mais a tão sonhada viagem para o Mundial. No Brasil existem vários jogadores de alto calibre que não costumam jogar regularmente durante o ano, mas que na hora do Nacional se comprometem a se dedicar bastante para tentar faturar a grande bolada de vencer o maior torneio do Brasil.

 

  • Jogadores que faturaram durante a temporada 300 CPs ou menos já entram no Nacional com boas chances de ficarem de fora do Top8 LATAM mesmo se vencerem o Nacional.

 

O Campeão Nacional apesar de ganhar uma caralhada de CPs, (500 precisamente), ainda estará um pouco longe de conseguir um número satisfatório pra conseguir a classificação (na minha cabeça esse número seria coisa de 800 CPs).

 

O caso mais recente foi do nosso campeão nacional de 2015, que não conseguiu obter os pontos necessários e acabou batendo na trave, ficando na 9ª colocação no Ranking LATAM, com 710 CPs. (210 + 500 do Nats).

 

Por fim, para os jogadores que não podem jogar muitos torneios na temporada, seja por vários fatores como dinheiro, tempo, poucos regionais na região em que mora e etc, o Nacional acaba ficando mais cruel. Para se ter a chance mínima de conseguir o Travel Awards, será necessário conquistar 300 CPs além do Campeonato Nacional. Por mais que 300 CPs não seja uma quantidade absurda de pontos para conseguir, mesmo assim para obter esses pontos será necessário um mínimo de dedicação em torneios menores como Regionais e City, que na prática vai te consumir mais tempo e dinheiro do que imagina, tendo em mente que esse tempo engloba além dos torneios em si, tempo gasto em treinos, testes, estudos, viagem e etc.

 

Em contrapartida, o Campeonato Nacional não perdeu valor pois: é um torneio muito valioso em termos de CPs, que pode ser o divisor de águas para classificar não apenas 1, mas 2 ou 3 jogadores para o Top8 LATAM. Além disso, as premiações foram bem legais no Nats 15, com direito a iPad, coleções fechadas completas e outros bônus interessantes.

Para a galera que batalhou durante a temporada toda, o Nacional tende a “coroar” seu trabalho duro na temporada de forma mais fácil, ou seja, você pode se classificar para o Top8, sem necessariamente precisar vencer o torneio, ou melhor, sem precisar participar do Nacional! Tudo depende de quantos CPs você coletou até o nacional.

Em termos de “justiça”, o jogador que ralou pra caralho tem chances reais de conseguir o Travel Awards, enquanto a Pokémon está praticamente “vetando” o jogador preguiçoso porém talentoso (ou cagado) de conseguir essa bonificação. Obviamente não da pra generalizar, até porque tem jogadores que moram em certas regiões que infelizmente existem poucos torneios e a tarefa de coletar pontos é muito dificil por simplesmente não ter torneios para ele fazer isso.

 

Conclusão

 

Resumindo, para jogadores que não coletaram CPs durante a temporada, o Nacional de fato perde muito valor, mas para os jogadores que conquistaram 300 CPs ou mais, o Nacional continua tendo o mesmo impacto que sempre teve ou até maior! No caso de jogadores que durante a temporada coletaram 500 CPs, a segunda colocação pode ser o bastante para conseguir o top 8 LATAM. Ou até mesmo para jogadores que se dedicaram muito na temporada e obtiveram 720 CPs, mas no Nacional conseguiu apenas um Top12 (80 CPs), e mesmo essa colocação ruim já foi o bastante para dar aquele “empurrãozinho” para entrar no Top8 (meu caso).

De forma clara a Pokémon está querendo beneficiar os jogadores que jogam o jogo ao longo da temporada toda ao invés de coroar apenas aquele que foi bem no Nacional. Dessa forma eles começam a dar sentido maior a TODOS os torneios do seu programa de pontuação ao invés de dar uma ênfase exagerada em apenas um torneio. O Top8 é basicamente um programa de fidelidade do Pokémon TCG, quanto mais você joga, mais pontos você ganha e consequentemente isso pode te render bonificações, assim como qualquer Programa de Fidelidade de qualquer marca de roupa, banco, cartões de crédito ou supermercado.

Meu conselho para todos os jogadores que pretendem jogar o Nacional é: consigam pelo menos 300 CPs. Nunca se sabe se você vai ganhar este torneio ou não. Ok, você pode pensar “só de ganhar o Nacional vai ser maravilhoso, não preciso mais que isso”, de fato você está certo, mas e se você ganha?? Tenho certeza que você vai ficar se remoendo “poxa… poderia ter corrido atrás desses pontinhos né?”

Os fatos nos dizem que o Nacional é uma caixinha de surpresa, desde que começou os Nacionais no Brasil, nunca tivemos um Bi-campeão! E pior, nem sempre os Campeões Nacionais são de fato jogadores consagrados ou que fizeram uma temporada exemplar de seus respectivos anos. Ok, já vimos vários rostinhos conhecidos lá no top8 em diferentes anos, inclusive já vimos o Alex de Londrina e o Marcelo de Brasilia chegar uma final de Nacional duas vezes, mas mesmo assim, a tendência é que diferentes jogadores cheguem ao Top ou vençam um Nacional, até porque o Pokémon TCG não é um jogo exato e muitos fatores de sorte são envolvidos pra definir o standing de um único torneio.

 

Já no conjunto da obra, a tendência é a gente ver nomes conhecidos lá no topo, como é o caso do Ranking LATAM, pois é o rating que define a reputação de um jogador e não um único torneio. Pra se ter uma noção, no Pokémon se de 10 torneios você vencer 2, você já é considerado um jogador muito bom.

 

É difícil apontar se deveríamos voltar ao antigo modelo de bonificação, eliminando o Ranking LATAM e voltando a premiar apenas o campeão Nacional, esse modelo novo mesmo sem querem acaba beneficiando jogadores que moram em regiões que possuem muitos torneios valiosos por perto, como São Paulo e prejudicando jogadores que moram em regiões com poucos torneios, onde até coletar 300 CPs seria uma tarefa complicada, devido a escassez de torneio.

 

No próximo post vou continuar falando sobre o Top 8 LATAM, relatando as dificuldades, investimentos, minha experiência e se tudo acaba valendo a pena ou não.

 

Valeu!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s